Principais motivos para as pupilas se dilatarem

Principais motivos para as pupilas se dilatarem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Os nossos olhos revelam muito do que se passa com a mente, seja da sua saúde ou das emoções. As pupilas são peças fundamentais para o funcionamento apropriado do corpo humano, sendo responsável pelo controle da entrada de luminosidade e da nitidez da visão. Quando há muita luz, elas ficam contraídas, mas quando há pouca luz, elas dilatam. Porém, esse não é o único motivo para as pupilas se dilatarem. Vamos conhecer os outros motivos.

Principais causas 

A pupila pode dilatar por diversas situações, sendo, na maioria das vezes, completamente normal. Algumas situações que podem levar à dilatação das pupilas são:

  • Uso de colírios, especialmente os utilizados para fazer os exames oftalmológicos, que são utilizados justamente para dilatar as pupilas e permitir a visualização do fundo do olho. 
  •  Diminuição da quantidade de oxigênio no cérebro, que pode ser devido a problemas respiratórios ou envenenamento, por exemplo;
  • Situações que causam dor, o que leva à dilatação da pupila de acordo com a intensidade da dor;
  • Danos no cérebro, seja devido a acidentes ou devido à presença de tumores no cérebro;
  • Situações de estresse, tensão, medo ou choque;
  • Uso de entorpecentes, como anfetamina e LSD, por exemplo, que além de causarem alterações psicológicas e comportamentais, também podem levar a alterações físicas;
  • Atração física, que frequentemente é associada à dilatação das pupilas, no entanto, a dilatação não pode ser utilizada como medidor da vontade ou atração sexual. 

Quando pode ser sinal de algo grave 

A dilatação pode significar um problema grave quando a pupila não reage a estímulos e permanece dilatada, sendo essa situação denominada midríase paralítica, que pode acontecer em um ou nos dois olhos. Por isso, caso a pupila não volte ao normal após algumas horas ou dias, é importante buscar ajuda de um oftalmologista.

É comum que após acidentes seja feita a avaliação das pupilas, que é feita por meio do estímulo das pupilas por uma lanterna. Isso tem como objetivo verificar se as pupilas reagem ao estímulo luminoso e, assim, poder indicar o estado geral do paciente. Caso não haja reação, permaneçam dilatadas ou tenham tamanhos diferentes, pode significar traumatismo craniano ou aumento da pressão intracraniana, por exemplo.

Como é feito o tratamento

A pupila dilatada normalmente não é grave, não necessitando de tratamento. Geralmente a pupila dilatada volta ao normal em pouco tempo, mas no caso da dilatação da pupila para a realização de exames oftalmológicos pode demorar algumas horas para normalizar.

No entanto, quando ocorre devido a uso de entorpecentes ou problemas cerebrais, por exemplo, cabe ao clínico geral ou oftalmologista para identificação da causa e início do tratamento.