Qual o momento certo para fazer cirurgia de catarata?

Qual o momento certo para fazer cirurgia de catarata?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Antes de saber quando, vamos explicar o que é a catarata e como ela surge.

O problema de catarata nos olhos é muito comum em pessoas mais velhas, mais especificamente a partir dos 60 anos. Essa condição acontece, porque o cristalino, que é a lente transparente do olho, começa a ficar opaco devido ao acúmulo de proteínas. Contudo, se essa estrutura fica totalmente esbranquiçada pode levar a uma perda de visão. Mas não se assuste, ela pode ser reversível. Sua causa mais comum é a senil, ou seja, o envelhecimento natural do cristalino ao longo da vida. 

Porém a doença não é uma exclusividade da melhor idade. Existe também a catarata congênita onde o bebê já nasce com ela, e também pode ser desenvolvida por causas secundárias como o uso crônico de corticoide, doenças metabólicas, diabetes, uveítes, traumas e exposição excessiva à radiação ultravioleta.

Independente do motivo causador, a solução mais eficaz é o tratamento cirúrgico em que há a retirada do cristalino e a sua substituição por lentes intraoculares.

Sabendo o que é a catarata, a maior dúvida que vemos entre nossos pacientes é: qual o momento certo para se submeter ao procedimento da cirurgia?

Confira a seguir!

Quando e como?

Não existe tratamento clínico para catarata, apenas cirúrgico. Por isso, a partir do momento em que a visão interfere na qualidade de vida, há indicação para a cirurgia. 

A técnica cirúrgica mais comum consiste na microfragmentação e aspiração do cristalino e no local da lente natural que foi removida é implantada uma lente (lente intraocular). 

Com o avanço tecnológico destas lentes é possível a correção de erros refracionais (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia – vista cansada) na cirurgia de catarata, ou seja, uma cirurgia pode resolver vários problemas na visão. As lentes intraoculares proporcionam ao paciente uma melhor qualidade de vida, com menor dependência de uma correção óptica residual. A decisão sobre a lente a ser implantada é feita de acordo com a avaliação do oftalmologista que irá orientar seu paciente diante do procedimento e às restrições no pós-operatório.

O procedimento é muito seguro, e com uma recuperação e volta às atividades rápidos, porém não deve ser banalizado. Complicações apesar de serem incomuns, podem ocorrer, para evitá-las basta seguir as orientações do oftalmologista e ficará tudo bem.

Lembre-se!

O mais importante na hora de decidir quando operar é conversar com o seu cirurgião, para tirar todas as dúvidas e traçar um plano cirúrgico em conjunto. Cada pessoa é única e não existem regras que se apliquem a todos os pacientes. 

Nós do Instituto IOA contamos sempre com uma equipe de profissionais altamente qualificados e especialistas, que garantem um atendimento único para cada cliente, priorizando sua saúde e bem-estar. Agende sua consulta agora mesmo!