Quando o transplante de córnea é necessário?

Quando o transplante de córnea é necessário?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Muitos pacientes questionam quando se deve partir para um transplante de córnea, ou se partir para um outro tratamento resolveria os problemas na mesma.

Essa dúvida é recorrente e cabe ao médico oftalmologista e paciente decidirem juntos, após um diagnóstico correto de cada patologia.

Transplantes de córnea são geralmente realizados para corrigir problemas com a sua visão causada por certas condições e ​​às vezes são usados para aliviar a dor em um olho danificado, ou até mesmo para tratar emergências, como infecções graves.

Algumas das razões mais comuns para exigir um transplante de córnea incluem problemas com o ceratocone. Essa doença é uma condição que faz com que a córnea se enfraqueça, fique mais fina e mude sua forma..

A causa do ceratocone pode haver uma ligação genética, e é mais comum em pessoas com múltiplas condições alérgicas, como eczema e asma, por exemplo. A doença também é uma das razões mais comuns para o transplante de córnea em pacientes mais jovens.

Muitos casos de ceratocone são leves e podem ser controlados usando lentes de contato ou óculos, porém, em alguns pacientes, a doença pode progredir até o ponto em que um transplante de córnea seja necessário. Consulte o médico oftalmologista para exames prévios.

Além do ceratocone, outras condições podem afetar os olhos e desenvolver problemas lentamente ao longo do tempo. Um exemplo é a distrofia endotelial de Fuchs, onde o funcionamento das células que reveste a córnea interna, e o endotélio começa a se deteriorar.

Isso acontece mais rápido à medida que o paciente envelhece, ou seja, à medida que as células enfraquecem, em vez de limpar o excesso de líquido, elas permitem que ele se acumule, levando a uma visão turva.

Um transplante de córnea também pode ser realizado no caso de um pequeno buraco se desenvolver na córnea do paciente, conhecido como perfuração da córnea. Por exemplo, o mesmo pode ocorrer a partir de uma infecção na córnea que não responde aos antibióticos e continua retornando.

Independente das causas, visitar o médico é primordial, pois cada caso é um caso.

A nossa córnea existem por duas funções principais:

1 – protege o resto do olho contra poeira, detritos e bactérias;

2 – focaliza a luz no olho para uma visão clara.

Quando a córnea fica enfraquecida ou danificada, ela pode distorcer a visão e até mesmo levar à cegueira.

A cirurgia de transplante de córnea torna-se necessária quando a visão não pode ser restaurada com óculos ou lentes de contato, ou se o inchaço ou a dor não puderem mais ser aliviados com a medicação alguma.

Existem alguns tipos diferentes quando se trata de transplante da córnea:

1 – O transplante de córnea penetrante, de espessura total, envolve a remoção de todas as camadas da córnea.

2 – O transplante de córnea lamelar, de espessura parcial, que remove apenas uma parte da córnea danificada.

O transplante de córnea lamelar é menos invasivo do que o transplante de córnea de espessura total, já que atinge apenas algumas camadas da córnea. Por ser menos invasivo, o transplante de córnea lamelar envolve menos suturas e como resultado, leva a um tempo de recuperação mais curto em comparação com o transplante de córnea de espessura total.

Existem vários tipos de transplante de córnea lamelar, incluindo a ceratoplastia endotelial , conhecida com a sigla: DSE. Esse procedimento envolve a substituição de células danificadas da camada mais interna por outras saudáveis.

O que podemos esperar de um transplante de córnea?

Seu oftalmologista discutirá com o paciente sobre a cirurgia de transplante de córnea, o porque precisa dessa cirurgia e como ela pode ajudá-lo a enxergar melhor após a cirurgia.

Após médico e paciente decidirem fazer o transplante de córnea, será escolhida uma data para a cirurgia. Essa data pode mudar se uma boa córnea doadora não estiver pronta para você naquele momento, tudo vai depender da real necessidade do paciente.

Sempre informe o seu oftalmologista sobre todos os medicamentos que você toma. Ele ou ela dirá se você pode continuar a tomá-los antes ou depois da cirurgia, pois o paciente pode precisar parar de usar anticoagulantes antes deste procedimento.

Além de cuidados como esse, o paciente pode precisar visitar o médico para um exame físico e, talvez, outros testes. Isso é para ter a certeza de que o mesmo encontra-se saudável o suficiente para ter a cirurgia de transplante.

O paciente que submete-se ao transplante não poderá dirigir após a cirurgia e deve tomar providências para que alguém o leve para casa após a cirurgia de transplante.

Antes da cirurgia, colírios serão colocados nos olhos do paciente, que poderá receber outro remédio para ajudá-lo a relaxar.

Seu oftalmologista usará anestesia local ou geral para que você não sinta dor.

Em alguns casos, o médico pode remover uma parte circular da córnea e substituí-la por uma porção correspondente da córnea doadora, costurando-a no lugar, e às vezes, ele removerá apenas uma camada muito fina de células da frente da córnea, substituindo-as por tecido doado e costurando-a no lugar.

Em outros casos, apenas a camada interna danificada da córnea é removida e um disco fino de tecido doador saudável é colocado na superfície posterior da córnea.

Em determinados casos, o oftalmologista pode reparar outros problemas oculares durante a mesma cirurgia, como catarata, por exemplo.

Após a cirurgia, o oftalmologista geralmente grava um escudo sobre o olho para mantê-lo coberto com segurança. O paciente será monitorado após o transplante para recuperar-se da anestesia e voltar para casa em segurança.

O médico oftalmologista irá explicar o que fazer para cuidar de si mesmo em casa após o procedimento.

4.8/5 - (67 votes)