Tumores Intra-oculares: Causas e sintomas

Tumores Intra-oculares: Causas e sintomas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Os tumores intra-oculares podem aparecer nas pálpebras, no olho (a conjuntiva, coróide ou retina) e na órbita (a cavidade que abriga o globo ocular). Dada a sua localização delicada, é necessário um diagnóstico e tratamento precoces. O tempo pode ser crucial para salvar a visão, o olho e até mesmo o próprio paciente nos casos mais graves.

Existem vários tipos de tumores, tanto benignos como malignos, que afetam os olhos e as suas diferentes estruturas. Entre os tumores intra-oculares, os principais são 

  • Melanoma: Pode ocorrer em vários tecidos, embora a localização coróide (melanoma de coróide) seja o tumor maligno primário intra-ocular mais comum em adultos. O seu número de casos aumenta ainda mais se tivermos em conta os tumores secundários a outros processos cancerosos que acabam por provocar metástases no olho, como o cancro da mama ou do pulmão.
  • Retinoblastoma: Tumor maligno dos olhos mais comum na infância. É muito agressivo e, portanto, é essencial diagnosticá-lo e tratá-lo cedo.
  • Hemangioma coróide: tumor benigno (sem risco de metástase) que, no entanto, se desenvolve de forma muito rápida e agressiva, colocando em risco a visão, uma vez que o seu crescimento ameaça o nervo óptico (transmissor de imagens da retina para o cérebro) e a mácula (área central da retina que permite uma visão detalhada).

Os tumores orbitais são raros e a sua manifestação mais comum é o aparecimento de exoftalmia unilateral de evolução lenta e progressiva (exceto para certos tumores que podem ser bilaterais). Esses tumores são variados e podem ser sérios.

Causas

Alguns desses tumores são congênitos, como os retinoblastomas, que são transmitidos de uma geração para outra e afetam 1 em cada 15.000 recém-nascidos.

Outros, como os melanomas intra-oculares, não têm fatores de risco específicos. Alguns podem estar associados a uma síndrome ou podem ser secundários, espalhados a partir de territórios adjacentes ou devido a um processo de metástase.

Prevenção

Os tumores intra-oculares não podem ser prevenidos, mas é possível diagnosticá-los precocemente, o que garante ao paciente maiores chances de recuperação total. Para isso, é aconselhável fazer um exame de rotina do fundo todos os anos, em especial à partir dos 50 anos de idade, quando é mais comum que esses problemas comecem a aparecer.

Além disso, dado que as lesões malignas podem repetir-se com o tempo, é importante que, uma vez tratadas, seja feito um acompanhamento regular.

Sintomas

Por serem intra-oculares, muitas vezes esses tumores passam despercebidos inicialmente e são assintomáticos. Alguns sinais de alerta que podem estar associados a um tumor intra-ocular são:

  • Diminuição da visão
  • Destacamento de Retina ou Sangramento Intraocular

Por este motivo, os tumores intra-oculares são frequentemente diagnosticados durante um exame oftalmológico de rotina.

Tratamentos

O tratamento de tumores oculares dependem do tipo, localização e tamanho. Nos casos em que são malignos, geralmente requerem a remoção por cirurgia de micro-incisão, que pode ser reforçada com quimioterapia ou radioterapia local em coordenação com um oncologista, alcançando uma alta taxa de sucesso.

Para os melanomas coróides, a terapia de escolha é geralmente a braquiterapia, que consiste em uma placa de rutênio radioativo ou iodo colocada por alguns dias na área do tumor. Sendo local, evita a radiação externa e reduz os possíveis efeitos colaterais, tornando-a uma opção minimamente invasiva.

Além disso, os hemangiomas coróides são geralmente tratados com terapia fotodinâmica e retinoblastomas com uma combinação de quimioterapia a laser e crioterapia.

Por isso, o acompanhamento com um oftalmologista é essencial para a detecção desse problema no estágio inicial, e aumentar as chances de sucesso no tratamento. Por isso, no aparecimento de qualquer sintoma acima, contate o IOA imediatamente.

4.7/5 - (153 votes)