Você conhece a heterocromia ocular?

Você conhece a heterocromia ocular?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A heterocromia ou heterocromia ocular, é uma anomalia  em que a pessoa tem olhos de cores diferentes. A íris é o tecido que dá cor aos olhos, que, em geral, são verdes, azuis, castanhos, pretos ou acinzentados, de acordo com a quantidade de melanina presente neles. Estima-se que seis a cada mil pessoas apresentam  heterocromia, porém alguns casos não são perceptíveis.

O distúrbio é causado por falta ou excesso de melanina (pigmento responsável pela coloração da pele, olhos e cabelos). Contudo, na maioria dos casos a coloração incomum dos olhos é quase imperceptível e não está relacionado a qualquer outra anormalidade. 

Como acontece a heterocromia?

Um fato curioso é que existem três pigmentos na íris que determinará a cor final do olho: azul, castanho e o amarelo. Essas são as cores que são responsáveis pelas combinações mais comuns de cores nos olhos de portadores com heterocromia: azul e castanho, verde e castanho e verde e azul.

A heterocromia pode se manifestar de três formas:

  • Setorial

Acontece quando a íris apresenta duas cores diferentes, com uma dominante e o toque de uma segunda cor. Esse tipo de heterocromia é mais comum em um dos olhos.

  • Central

Conhecida popularmente como olho de gato, a íris possui dois ou mais círculos de cor ao redor externo da pupila. Também é mais comum em apenas um dos olhos.

  • Completa

Sendo um tipo mais raro da doença, acontece quando os dois olhos apresentam cores completamente diferentes.

Em casos isolados, acontecem de dois tipos se misturar  em um único indivíduo.

Quais as causas da heterocromia?

A heterocromia é o resultado do excesso ou falta de melanina, portanto o pigmento responsável pela cor da pele, cabelos e olhos. Pode ser causado por distúrbios congênitos ou adquiridos. 

A doença ocorre devido a uma mutação no gene EYCL3 presente no cromossomo 15, sequência do DNA responsável pela quantidade de melanina dos olhos. As cores das íris se desenvolvem durante os primeiros meses após o nascimento da criança e são determinadas de acordo com essa quantia, apresentando a coloração escura quando há muita melanina e clara resultando em pouca. Quando acontece a distribuição de cores de forma não uniforme, ocorre a heterocromia.

Quando a heterocromia é congênita, os olhos do portador tem mais chances de adquirir a coloração azul e castanha. No caso a coloração mais comum é a verde e castanha. 

Heterocromia congênito 

A heterocromia congênita é mais comum em pacientes que nasceram com alguma alteração genética que modificou a tonalidade dos olhos. Geralmente, sua causa é hereditária e não está associada a outros problemas de saúde. Porém, também pode ser consequência de outras doenças, como:

  • Síndrome de Waardenburg;
  • Síndrome de Horner;
  • Neurofibromatose;
  • Heterocromia de Funchs;
  • Quimerismo;
  • Mosaicismo;
  • Nevo de Ota;
  • Piebaldismo;
  • Síndrome de Parry-Romberg;
  • Síndrome de Blonch-Sulzberger;
  • Doença de Bourneville;
  • Doença de Hirschsprung;
  • Síndrome de Sturge-Weber.

Heterocromia adquirida 

Existem outras causas e doenças que podem levar a alterações na melanina dos olhos após o nascimento, são elas:

  • Irite;
  • Neuroblastoma;
  • Traumas;
  • Sangramento ocular;
  • Lesão ou cirurgia ocular;
  • Glaucoma e alguns medicamentos utilizados em seu tratamento;
  • Presença de corpo estranho nos olhos;
  • Melanoma benigno e maligno na íris;
  • Diabetes mellitus;
  • Síndrome de Chediak-Higashi;
  • Oclusão da veia central da retina;
  • Síndrome de Posner-Schlossman;
  • Síndrome de dispersão pigmentar.

Heterocromia causada por medicamentos 

A heterocromia pode ser adquirida com o uso errado ou abusivo de determinados medicamentos indicados para outros tratamentos, como no caso do glaucoma. Ressaltamos a importância  de nunca se automedicar e é recomendado sempre ter um acompanhamento profissional.

Sintomas

A heterocromia se manifesta pela alteração da coloração dos olhos. Quando se é portador desde a nascença especialmente se for herança genética dos pais, a doença é benigna e não causa nenhum tipo de transtorno ocular ou perda de visão, por isso o único sintoma conhecido é a coloração distinta de um olho do outro.

Heterocromia tem cura?

Quando congênita, não há cura ou tratamento específico para essa anomalia. Caso seja de interesse do paciente, é possível utilizar lentes de contato para ajudar a igualar as cores dos olhos, desde que sejam indicadas pelo médico oftalmologista.

Tratamento da heterocromia 

O tratamento somente é necessário caso a heterocromia seja ocasionada por alguma outra doença. Nesse caso  o procedimento e medicamentos serão indicados de acordo com as causas.

Como vimos, a heterocromia não é uma doença grave e não apresenta sintomas incômodos aos portadores. Porém, deve-se ficar atento se houver mudanças repentinas na coloração dos olhos, pois pode ser sinal de alguma condição médica.

De qualquer forma, nossa indicação sempre é a de consultar um médico oftalmologista. Agende uma consulta no Instituto de Olhos da Amazônia e tire todas as dúvidas sobre Heterocromia ocular ou outras doenças.