Você sabe o que é a Retinose Pigmentar?

Você sabe o que é a Retinose Pigmentar?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Se em algum momento acabar notando uma perda da qualidade da visão, pode ser um momento para procurar um oftalmologista. Afinal, esse é um dos sinais da retinose pigmentar.

Hereditária, essa é uma doença que afeta, em média, uma a cada 4 mil pessoas ao redor do mundo.

Conhecida também como retinite pigmentosa, essa doença ocorre de maneira gradual. Afinal, os cones e os bastonetes, células que auxiliam na captura da luz na retina, gradualmente se deterioram.

Como identificar a retinose pigmentar?

Essa enfermidade pode se pronunciar desde a infância e adolescência, evoluindo até a terceira idade.

Mas é possível identificá-la a partir de alguns sinais, os quais podem ser identificados facilmente. Eles podem ser:

  • Nictalopia, situação em que a pessoa tem dificuldade em enxergar nos períodos noturnos;
  • Fotofobia, momento em que existe uma ampla sensibilidade à luz;
  • Visão periférica e lateral prejudicada, o que pode ocasionar em tropeços frequentes nos móveis de casa ou do trabalho.

E o tratamento da retinose pigmentar, como é?

Atualmente, não existe cura para a retinite pigmentosa. Porém, tratamentos estão sendo testados e vêm surtindo efeitos satisfatórios.

O principal deles é a terapia gênica. Conhecida como Luxturna, ela faz com que as células fotorreceptoras se reprogramem. Porém, ela não é indicada para aqueles pacientes que já se encontram nos estágios avançados da doença.

Além desta terapia, estão em fase de análise tratamentos envolvendo células-tronco e chips de retina.

Apesar de não ter cura, existem duas maneiras que auxiliam no processo de retardar a evolução da retinose pigmentar. Elas podem ser:

  • Suplementação a partir da ingestão de ômega 3. Isso porque o ômega 3, um ácido carboxílico poli-insaturado encontrado em peixes como salmão, atum e sardinha, facilita a nutrição das células que protegem os olhos;
  • Ampliação de consumo de alimentos com vitamina A. Encontrada em alimentos como fígado, óleo de peixe, cenoura, espinafre, manga e mamão, ela cuida da córnea, parte que transmite e concentra a luz que entra nos olhos.

Como é obtido o diagnóstico da retinose pigmentar?

É tudo feito a partir de exames de imagens.

Eles podem consistir na fundoscopia, também conhecida como análise do fundo de olho. Além desse exame, são feitos outros, como a retinografia e a tomografia ocular.

Há ainda outros procedimentos que demonstram eficácia na identificação preventiva da retinite pigmentosa. São eles:

  • Teste de campo visual: a partir de uma espécie de olho mágico, o paciente analisa uma imagem situada no centro de sua visão. Conforme o exame evolui, a pessoa deve apertar um botão sempre que enxergar novos objetos e pontos luminosos na imagem;
  • Eletrorretinograma: com uma película de folha de ouro ou lente de contato especial depositada nos olhos do paciente, o oftalmologista consegue medir como a retina reage aos flashes de luz projetados por esses objetos;
  • Oftalmoscópio: essa ferramenta portátil faz com que o médico possa estudar a parte de trás dos olhos. Se o paciente de fato tiver retinose pigmentar, manchas escuras poderão ser vistas na retina. Tudo isso, claro, com auxílio também de colírios dilatadores.

Agende sua consulta com o IOA!

No pior dos casos, o paciente que tiver retinite pigmentosa pode chegar a perder totalmente a visão.

O desenvolvimento de enfermidades como catarata subcapsular e o edema macular cistóide também pode ocorrer caso não haja cuidados preventivos.

O IOA tem equipamentos de ponta e conta com uma equipe atenciosa e qualificada. Aqui, o tratamento contra a retinose pigmentar é confortável, confiável e seguro.

Fale conosco!